terça-feira, 2 de fevereiro de 2010

PASSEIO "ANFÍBIO" DO MOTO CLUBE DO PORTO LÁ PARA OS LADOS DO VOUGA



Caravana gigante e alegre no Passeio MC Porto-PROestima
24-01-2010

Sol, pontualidade, Vouga e comboios deliciam mototuristas

Grande passeata, simples, ensolarada e atractiva, foi memorável para os 96 mototuristas que a percorreram neste domingo 24 de Janeiro de 2010 até Macinhata do Vouga, para aí descobrirem os segredos da Secção Museológica dedicada aos caminhos de ferro que a Câmara Municipal de Águeda montou na Linha do Vouga.



A caravana metia respeito. 96 pessoas em 60 motos e três carros colocava os organizadores em sentido, pois a sua extensão e tamanho obrigava a cuidados redobrados.
Mas os sócios do MC Porto estão cada vez melhores.
Apesar de muita juventude e caras novas – o que é tão bom – a pontualidade e disciplina foi uma constante nos 200 km de percurso, ora na A29, ora nas nacionais, municipais e ecopista da Murtosa. Simplesmente impecável. Passamos aos pontos de passagem ao minuto! Isto num ritmo folgado, delicioso e que nos permitia tirar partido de cada moliceiro, bateira, meandro de ria, corvo-marinho ou garça-boieira.



União e gozo na ria de Aveiro

Bem cedo, os motociclistas começaram a chegar à sede, alguns antes da hora. Até agradecemos. Distribuiram-se mapas e road-books (é sempre bom os participantes terem melhor noção por onde andam apesar de irmos uns atrás dos outros), tomou-se a cafezada, ofereceu-se um cordão MCP a cada um e investiu-se numa boa brifalhada para evitar cortes no pelotão.
Bem dispostos e com um sol que sabia pela vida, a caravana pôs-se em marcha, silenciosa e muito diversificada.
Num ápice rolava a sul, na gratuita A29 até sair para o Furadouro. Partilhando a estrada com centenas de ciclistas (não é exagero), a comitiva gozou o primeiro braço da ria de Aveiro, até à ponte da Varela.
E aí, ainda se conseguiu melhorar mais. A estrada que bordeja a ria está transformada em “percurso misto” onde só se pode rolar a 30 km/h. Que bom. Assim pode-se dizer bom dia aos pescadores, apreciar borrelhos e pilritos e até talvez um maçarico.
Maçaricos não eram os condutores da caravana. Coesos e impecáveis, deixavam um rasto de luzinhas sem fim. Ao longo da ria, as motos esticavam-se por um quilómetro de curvas. Impressionante.
E veio o melhor: a ligação entre prados da Béstida a Pardelhas. A estradinha de paralelo faz ângulos de 90 graus no meio da erva pelo que a caravana aprecia-se a si própria. E a estrada estava alagada com piscinas de 20 cm de altura de água de quando a quando. Óptimo para a foto e divertido para nós. Uma moca!



Havemos de voltar a Pardelhas

Pontualmente as motos estacionaram no cais de Pardelhas onde um esteiro leva os barcos há muitas décadas e onde um centro ambiental foi inaugurado há 24 horas. Este deixou-nos com ideias para outros eventos. Tem 20 bicicletas para alugar...



A Tasca O Farol, do hospitaleiro Sr. Manuel, foi o alvo dos amantes de café. É uma casa típica e onde o MC Porto já foi muitas vezes.
O sol enchia as almas e as conversas desfiaram junto às motos e barquinhos. Tirou-se a primeira foto de grupo precisamente com estes a embelezar.



Há que voltar à estrada... não pavimentada. Mas talvez a melhor. Foi por uma ecopista que saímos de Pardelhas rumo ao Cais do Bico. Muito, muito bom!
Rolamos a 5 km/h junto aos moliceiros, saboreamos a paisagem, de grande qualidade.
E depois tivemos que seguir para o restaurante, pois havia o compromisso de chegar cedo.
Murtosa e Estarreja, ambas por fora e mais um pouco de A29 colocou-nos em Angeja num tiro. E a caravana sempre unida! Espectacular!



Há quem tome o pequeno-almoço mais tarde

Chegamos ao restaurante às 11.40h e ao meio-dia já tinhamos deitado a sopa abaixo.
Cerca de 20 elementos da comitiva (os últimos a inscreverem-se) viram-se obrigados a sentarem-se noutro restaurante, perto, conforme combinado, pois não havia hipótese de estarmos todos juntos. Mas pouco depois todos os 96 elementos giboiavam em convívio no parque diante do Vouga na vila de Angeja.
Foi quase uma hora ao sol ou à sombra das árvores. Uns dormiam a sesta, outros passaram a ponte de servidão agrícola e exploraram campos e caminhos, outros combinaram mais passeios e outros sabe-se lá o quê que não cuscamos as conversas todas.



Mais Vouga depois do ripanço

Chegaram as 14h e as motos ligaram motores. Havia mais para saborear. O Vouga continua imenso e a invadir campos e a estrada tem troços que o serpenteia, por S. João de Loure. O MC Porto conhece alguns estradões agrícolas muito engraçados aí, mas achamos que não valia a pena complicar a vida aos menos habituados.
E assim, na Paz do Senhor, as motos foram avançando pelos prados de Alquerubim, Trofa, Lamas do Vouga e Valongo do Vouga. O rio que dá o nome às povoações do vale, sempre presente, ora pois. E tão bonito. Imenso, a reluzir sob um sol de Janeiro radiante e que já fazia falta.



Todos no trofafafe

E à hora marcada, lá estavam as motos a encher o parque de estacionamento do apeadeiro de Macinhata do Vouga, onde se encontra a dita Secção Museológica da Câmara Municipal de Águeda. O prestável Sr Ribeiro ciceroneou-nos ao longo de locomotivas a automotoras.
Com alegria, contentamento e até brilho nos olhos, foi contando pormenores. Que um maquinista primeiro tinha de ser fogueiro numa das várias locomotivas a vapor, centenárias. Com 55 toneladas, estes monstros puxavam ronceiras as composições das linhas do Vouga, Tua e outras.
As carruagens divertiram os motociclistas. De bancos de madeira e estilo faroeste, foram cenário para muitas fotos. Havia pequenas automotoras que pareciam carrinhas ou camionetas velhinhas sobre carris. Um divertimento. Claro que a esmagadora maioria dos 96 não conseguia chegar às explicações do Sr. Ribeiro. Mas foi bem divertido.



Estavamos em Macinhata do Vouga, localidade que juntamente com o patrocinador PROestima dava o nome a esta primeira passeata do MC Porto.
A foto de grupo era obrigatória e diante da locomotiva exterior tirou-se o último retrato de família.



Aproveitou-se para o agradecimento final, pois os participantes estavam de parabéns! Um luxo, esta malta!



Regressamos pelas curiosas pontes sobre o Vouga em Sernadas (que coloca trânsito rodoviário e ferroviário sobre o mesmo chão) e a metálica sobre o Caima.
Daí entramos na A25 e a história acaba.



Fotos com fartura

E agora apreciem muitas fotos – e bonitas – de TODOS os condutores a rolar pelos campos da Béstida, na Ecopista da Murtosa e nos prados de Alquerubim e até na ponte sobre o Caima. Obrigado, Nuno Paparazzi!

Agradecemos também ao Zezé Santos que nos enviou o link do seu albúm. O Zezé é grande retratista. Tem fotos engraçadas da malta nos momentos de convívio em Pardelhas, Anjega e Macinhata:

http://picasaweb.google.pt/jmanuelsantos/PasseioMCPMacinhataDoVouga#

Anexamos também o link que o Eduardo Borges nos mandou com a rota do passeio no Google Maps. Obrigado, Eduardo:

http://pt.wikiloc.com/wikiloc/view.do?id=706211

Posted by Nestov
Headline by crazy Afonsov
Bookmark and Share

domingo, 31 de janeiro de 2010

MOTO CLUBE DO PORTO "A" PASSA AOS QUARTOS-DE-FINAL DA TAÇA AXP, POR EQUIPAS

Realizou-se no Sábado a 4ª ronda da Taça da AXP, de xadrez, por equipas.



Esta prova iniciou-se com 30 equipas, estando esta 4ª ronda sómente com 15 equipas. A equipa do GD Dias Ferreira "A" ficou isenta.



O Moto Clube do Porto ainda tinha em prova as suas equipas A e B.



Ambas receberam em casa, duas outras formações do Grupo de Xadrez do Porto. Foram elas a equipa A e D, desta agremiação, que é o clube de xadrez mais antigo da península Ibérica.

No jogo em que a equipa do Moto Clube do Porto "A" recebia a equipa do Grupo de Xadrez do Porto "D", a balança pendia claramente para a equipa dos motociclistas, que facilmente desenvencilhou da equipa adversária, tendo vencido nos três primeiros tabuleiros, e, averbando um empate no quarto.

MOTO CLUBE DO PORTO "A" 3,5 - 0,5 GRUPO DE XADREZ DO PORTO "D"
José Padeiro 1 - 0 José Lopes
Carlos Carneiro 1 - 0 Adelino Botelho
Fábio Barbosa 1 - 0 José Costa
Luís Araújo 0,5 - 0,5 José Guimarães


Já no outro jogo, o favoritismo ia todo para a equipa de Passos Manuel, dada a grande diferença de valores entre as duas equipas. À quinze dias atrás, estas duas equipas, exactamente com os mesmos jogadores, se defrontaram para a Taça de Portugal, tendo vencido a equipa do GX do Porto pela marca máxima. Desta feita os motociclistas amenizaram a derrota, que no entanto foi clara, como se esperava.

MOTO CLUBE DO PORTO "B" 0,5 - 3,5 GRUPO DE XADREZ DO PORTO "A"
Rui Curado Gonçalves 0 - 1 António Silva
Nuno Messeder Ferreira 0 - 1 Fernando Cleto
António Mendes 0 - 1 Sandro Fernandes
Afonso Duarte 0,5 - 0,5 José Moreira


RESULTADOS DA 4ª RONDA:
1 GX do Porto C o,5 - 3,5 GD Dias Ferreira C
2 GX do Porto B 4 - 0 Associação Clube de Jazz A
3 NX de Santo Tirso B 0 - 4 AX de Gaia A
4 GD Dias Ferreira F ? - ? GD Dias Ferreira B
5 Moto Clube Porto A 3,5 - 0,5 GX do Porto D
6 Moto Clube Porto B 0,5 - 3,5 GX do Porto A
7 Clube Millennium bcp 1, 5 - 2,5 Profigaia Chess
8 GD Dias Ferreira A - Isento



Posted by Afonsov
Bookmark and Share